O que é o PIX – O novo sistema de pagamentos e transferências

Compartilhe!

Você já passou por uma situação em que precisou realizar uma transferência de dinheiro no final de semana e, como a conta era em outra instituição financeira, teve que aguardar até o próximo dia útil para que a operação fosse efetuada? E já ficou dias esperando a confirmação de um pagamento que fez com boleto?

Situações comuns, mas esse cenário muda com o Pix, novo sistema de pagamentos do Banco Central do Brasil.

OBSERVAÇÂO – caso tenha algum termo que não conheça vá até o final da página e confira a explicação no Glossário. Aproveite também para conhecer outros termos relacionados a este sistema.

O que é o PIX?

O Pix é o novo sistema de pagamentos instantãneos anunciado pelo Banco Central e previsto para entrar em funcionamento em 16 de novembro deste ao. É um meio de realizar pagamentos, compras e transferências em tempo real.

Com ele, é possível realizar transações de forma rápida e segura, em qualquer horário e dia do ano e com o valor disponível imediatamente na conta do recebedor.

A tendência é que as transações envolvendo o TED e DOC sejam substituídas pelo PIX, que tem um custo menor é mais rápido para ser processado.

Sem limite de horário?

Isso mesmo! As transações podem ser feitas eletronicamente, 24 horas por dia, 7 dias por semana (inclusive feriados) e o valor entra nao que é o pix conta do favorecido de forma instantânea, em qualquer instituição financeira participante do Pix.

E não é só transferência não!

Esse serviço será oferecido por bancos, fintechs e instituições não bancárias que fizerem adesão ao Pix no Banco Central, permitindo as transações entre pessoas físicas, pessoas jurídicas e órgãos governamentais. E o principal meio indutor para a ferramenta serão os aplicativos móveis.

O Pix abre um universo de possibilidades, que estamos apenas começando a descobrir. Já estão desenhadas transferência de valores entre pessoas, pagamento de contas, compras, boletos e até recolhimento de impostos e taxas de serviços. Porém, por se tratar de um arranjo aberto, a interação entre os participantes trará inovações em produtos para o mercado financeiro ainda não imaginadas.

O Pix veio para simplificar!o que é o pix

Quando o cliente transacionar, ele não precisará mais dos dados bancários da pessoa ou empresa. O Pix agrega praticidade, pois a transação pode ser efetivada por meio da chave de endereçamento – que pode ser número do celular, e-mail ou CPF/CNPJ do destinatário – ou, ainda, por meio da leitura de um QR Code.

Tudo de forma simples, fácil e ágil! E, se o cliente preferir, ainda tem a alternativa de inserção manual dos dados, do mesmo jeito que acontece ao enviar uma TED.

Sistemas semelhantes em outros lugares

Antes de chegar ao Brasil, esse meio de pagamento começou em outros lugares do mundo, mas com nomes diferentes:

Benefícios do Pix

Esse serviço facilita e beneficia a vida de todos os clientes, pois gera diversos benefícios ao ser utilizado.

  1. Disponibilidade – É possível realizar operações 24 horas por dia, inclusive em fins de semana e feriados.
  2. Velocidade – É possível realizar operações 24 horas por dia, inclusive em fins de semana e feriados.
  3. Conveniência – As transações realizadas ocorrem de forma intuitiva para o cliente.
  4. Segurança – As transações terão as mesmas bases criptografadas das tecnologias de proteção atuais.
  5. Ambiente aberto – O Pix pode ser feito em bancos, em instituições não vinculadas ao SFN, em fintechs e afins, desde que tenham aderido ao SPI.
  6. Multiplicidade de casos de uso – Com o Pix, é possível realizar transferências entre pessoas, empresas e/ou entes públicos, além de realizar pagamentos em estabelecimentos físicos ou virtuais e dos recolhimentos de tributos municipais, estaduais ou federais.
  7. Praticidade – Com o Pix é possível realizar operações por QR Code, além de permitir o uso de chaves de endereçamento (também chamadas de apelidos). Dessa forma, não há necessidade de preencher dados bancários em cada transação. Mas aqui, cabe chamar a atenção para um detalhe: a chave será atrelada a um único conjunto de informações de banco, agência e conta.
  8. Custos – Há redução nos custos das transações de pagamentos e transferências e, com isso, a redução de transações em dinheiro. Afinal, estas representam grande risco para os pagadores e recebedores e são as mais onerosas, por envolverem transporte e disponibilização de numerário.

O Pix aumenta a velocidade das transações, melhora a experiência do usuário, alavanca a competitividade e eficiência do mercado, além de possibilitar a diminuição dos custos das transações. Contribui, ainda, para a inclusão do usuário no sistema financeiro e para a redução do uso do papel-moeda.

Assista o vídeo a seguir com a apresentação oficial do PIX pelo Banco Central.

Glossário

Veja a seguir maiores detalhes dos termos tratados neste post e relacionados ao PIX.

  • Chave para endereçamento – A chave é um “apelido” utilizado para identificar sua conta. Ela representa o endereço da sua conta no Pix. Os 4 tipos de chaves de endereçamento que você pode utilizar são: número de celular, email, CPF/CNPJ e EVP – Endereço Virtual de Pagamento.
    Conta Pagamentos Instantâneos (Conta PI) – Conta mantida no BC, de titularidade de um participante direto, utilizada para fins de liquidação de pagamentos instantâneos, está regulamentada pela Circular Bacen nº 4.027, de 12 de junho de 2020.
  • Conta transacional – Conta mantida por um usuário final em um prestador de serviços de pagamento e utilizada para fins de pagamento ou de recebimento de um pagamento instantâneo. Pode ser uma conta de depósitos à vista (também conhecida como conta corrente), uma conta de depósitos de poupança, uma conta de pagamento pré-paga ou até uma carteira digital, ofertada por diversas instituições, como o BB.
  • Diretório de Identificadores de Contas Transacionais (DICT) – Componente do Pix que armazena as informações dos usuários recebedores e das respectivas contas transacionais, que podem ser localizadas por meio das chaves para endereçamento. Essas chaves também têm sido chamadas de apelidos, por ligarem uma informação contida na chave aos dados da instituição do detentor da chave.
  • Ecossistema de pagamentos instantâneos brasileiro – Ambiente formado pelo arranjo aberto instituído pelo BC, denominado Pix, pelos prestadores de serviços de pagamento participantes do arranjo, pelo Diretório de Identificadores de Contas Transacionais e pelo Sistema de Pagamentos Instantâneos, utilizado para a liquidação das transações realizadas entre diferentes instituições participantes do arranjo de maneira centralizada no Banco Central.
  • Inserção manual dos dados – Processo no qual o usuário pagador deve inserir manualmente os dados de identificação do usuário recebedor e da respectiva conta transacional para iniciar uma transação de pagamento instantâneo.
  • Liquidante no SPI – Participante direto que presta serviço de liquidação a um participante indireto. Em um dado pagamento, pode atuar como participante direto recebedor ou como participante direto pagador, conforme o caso.
  • Pagamento instantâneo – Transferência de fundos eletrônica na qual a transmissão da ordem de pagamento e a disponibilidade de fundos para o usuário recebedor ocorrem em tempo real e cujo serviço está disponível durante 24 horas por dia, 7 dias por semana e em todos os dias no ano.
  • Participante direto – Instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central que oferta uma conta transacional para um usuário final e que, para fins de liquidação de pagamentos instantâneos, é titular de Conta PI.
  • Participante indireto – Instituição que oferta uma conta transacional para um usuário final, mas que não é titular de Conta PI no Banco Central nem possui conexão direta com o SPI. Utiliza os serviços de um liquidante no SPI para fins de liquidação de pagamentos instantâneos.
  • Pix – Nome do arranjo de pagamentos instantâneos instituído pelo Banco Central, que também corresponde ao instrumento de pagamento.
    Prestador de Serviços de Pagamento (PSP) – Instituição ou empresa que provê serviços de pagamento para um usuário final.
  • PSP do pagador – PSP no qual o usuário pagador detém a conta transacional que será debitada para a realização de um pagamento instantâneo.
  • PSP do recebedor – PSP no qual o usuário recebedor detém a conta transacional que será creditada em decorrência de um pagamento instantâneo.
  • Provedor de Serviços de Tecnologia da Informação (PSTI) – Entidade autorizada pelo Comitê Gestor a prestar serviços de processamento de dados, para fins de acesso à RSFN, a instituições financeiras e a demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central, por meio de centros de serviços de informática compartilhados, nos termos do Capítulo VII da Circular nº 3.629, de 19 de fevereiro de 2013. Corresponde às empresas de conectividade referenciadas no Comunicado nº 32.927, de 21 de dezembro de 2018, como switch.
  • QR Code – Código de barras bidimensional gerado por um usuário final, com a finalidade de facilitar a iniciação da transação de pagamento no âmbito do Pix.
  • QR Code Dinâmico – QR Code gerado pelo usuário recebedor, para ser utilizada uma única vez, para iniciar um pagamento instantâneo.
  • QR Code Estático – QR Code gerado pelo usuário recebedor, que pode ser utilizado para iniciar mais de um pagamento instantâneo.
  • QR Code Gerado pelo pagador – QR Code gerado pelo usuário pagador, que pode ser gerado sem utilização de rede de dados, para ser utilizada uma única vez, para iniciar um pagamento instantâneo.
  • Sistema Financeiro Nacional (SFN) – Formado por um conjunto de entidades e instituições que promovem a intermediação financeira, isto é, o encontro entre credores e tomadores de recursos. É por meio do sistema financeiro que as pessoas, as empresas e o governo circulam a maior parte dos seus ativos, pagam suas dívidas e realizam seus investimentos.
  • Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI) – Infraestrutura centralizada e única de liquidação bruta e em tempo real do ecossistema de pagamentos instantâneos brasileiro.
  • Timeout – Extrapolação do limite de tempo, determinado pelo gestor do sistema, que causa a rejeição de uma transação de pagamento instantâneo.
  • Usuário final – Pessoa natural ou jurídica ou ente governamental que utiliza um serviço de pagamento instantâneo, como pagador ou como recebedor.
  • Usuário pagador – Usuário final que, no processamento da transação de pagamento instantâneo, tem a sua conta transacional debitada.
  • Usuário recebedor – Usuário final que, no processamento da transação de pagamento instantâneo, tem a sua conta transacional creditada.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.